Aqui você pode realizar buscas no catálogo on-line, bem como fazer download de parte do nosso acervo. Além disso, disponibilizamos informações sobre a biblioteca, tais como histórico, serviços oferecidos, links relacionados, etc.

ID: 101796
Nº de chamada: 311.3:504-C759
Complemento 1: 2006-2016
Complemento 2: n. 79
ISBN: 9786587201573
Tipo de material: livro
Título: Contas de ecossistemas : produtos florestais não madeireiros : 2006-2016 / IBGE, Coordenação de Recursos Naturais e Estudos Ambientais, Coordenação de Contas Nacionais
Local: Rio de Janeiro
Editor: IBGE
Ano: 2021
Descrição física: 85 p. : il. color.
Notas:
Disponível somente em meio digital.
Indicação de conteúdo: A contabilidade do capital natural constitui uma estrutura contábil que permite mensurar e comparar, ao longo do tempo, a contribuição dos recursos naturais e dos ecossistemas para os aspectos sociais e econômicos de um determinado território, fornecendo estatísticas dinâmicas e padronizadas para o planejamento e a tomada de decisão, com vistas a promover escolhas mais eficientes e sustentáveis na gestão dos recursos. Por reconhecer a importância da integração dos dados ambientais ao Sistema de Contas Nacionais - SCN, de modo a considerar a utilização dos serviços dos ecossistemas e registrar como a utilização do fluxo desses serviços pelo sistema econômico interfere no ativo da biodiversidade, o IBGE apresenta, nesta publicação, os resultados da Conta de Produtos Florestais Não Madeireiros, em termos físico e monetário, organizados em duas perspectivas. A primeira abordagem contempla as provisões física e monetária de 12 produtos florestais não madeireiros extraídos e de quatro cultivados em cultura permanente, tendo como base as pesquisas Produção da Extração Vegetal e da Silvicultura - PEVS e Produção Agrícola Municipal - PAM, investigadas pelo IBGE. Adotou-se como unidade de análise espacial o recorte ambiental dos Biomas Amazônia, Cerrado, Mata Atlântica, Caatinga, Pampa e Pantanal, em conformidade com o conceito ecológico de unidades espaciais previsto na metodologia das Contas Experimentais de Ecossistemas das Nações Unidas, tendo como referência os anos de 2006 e 2016. A segunda abordagem busca mensurar os serviços de provisão dos produtos florestais não madeireiros selecionados, no Brasil, e, para tanto, aplica o método de valoração da renda do recurso ambiental, a partir do valor residual, estimando o valor dos serviços de provisão de tais produtos, com base nos dados da PEVS, da PAM, do Censo Agropecuário 2006, e de variáveis do Sistema de Contas Nacionais - SCN, também do IBGE. O estudo contribui com o esforço de aplicação das recomendações internacionais contidas no manual System of environmental-economic accounting 2012: experimental ecosystem accounting, SEEA-EEA, desenvolvido pelas Nações Unidas no âmbito do projeto Contabilidade do Capital Natural e Valoração dos Serviços Ecossistêmicos (Natural Capital Accounting and Valuation of Ecosystem Services - Ncaves), em parceria com a União Europeia. As estatísticas ora divulgadas, cumpre destacar, são experimentais, isto é, estão sob avaliação porque ainda não atingiram um grau completo de maturidade em termos de harmonização, cobertura ou metodologia. Espera-se, no entanto, que o conjunto dessas informações contribua para os avanços na identificação da inter-relação entre os biomas considerados e os benefícios da produção de produtos florestais não madeireiros neles realizada.


Assuntos:
Brasil; Economia agrícola; Economia ambiental; Produtos florestais; Recursos naturais

Entidade Secundária: IBGE. Coordenação de Contas Nacionais; IBGE. Coordenação de Recursos Naturais e Estudos Ambientais
Título Secundário: Contas econômicas ambientais
Série Secundária: Contas nacionais, ISSN 1415-9813; Investigações Experimentais. Estatísticas Experimentais

Download(s):

liv101796.pdf

© 2022 IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística