Aqui você pode realizar buscas no catálogo on-line, bem como fazer download de parte do nosso acervo. Além disso, disponibilizamos informações sobre a biblioteca, tais como histórico, serviços oferecidos, links relacionados, etc.

ID: 40472
Código de Localidade: 1600303
Município: Macapá
Tipo de material: fotografia
Título: Rio Amazonas : Fortaleza de São José de Macapá : vista aérea da cidade : Macapá, AP
Local: [S. l.]
Editor: [s. n.]
Ano: [19--]
Descrição física: 1 fot. : p&b
Série: Acervo dos municípios brasileiros
Notas: O Rio Amazonas, localizado na região norte do Brasil, é o mais extenso rio do mundo, com 6.850 km de extensão desde sua nascente a 5,6 mil metros de altitude no Peru até sua foz próximo a divisão do Pará com o Amapá. Antigamente acreditava-se que o Rio Nilo era o mais extenso, porém isso acontecia devido a um erro de localização. Uma equipe constituída por pesquisadores do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), da Agência Nacional de Águas (ANA) e representantes do Instituto Geográfico Nacional (IGN) do Peru foram até a Cordilheira de Chila onde se encontra a Quebrada Apacheta, um córrego que é a principal vertente do Rio Amazonas. A bacia amazônica é a maior do mundo com 5.846.100 km², sendo também a maior em volume de água, são 216.342m³ por segundo. Ao nascer na cordilheira peruana o Rio Amazonas recebe o nome de Apurimac até unir-se ao Rio Urubamba e receber o nome de Ucayalli. Já nas florestas equatoriais, ele se une ao Marañón antes de chegar ao Brasil. Em terras brasileiras, o Rio recebe o nome de Solimões até 30 km da cidade de Manaus, quando, por fim, recebe o nome de Amazonas. Devido a seus inúmeros afluentes a vazão do Rio varia muito pouco ao longo do ano, com algumas enchentes decorrentes de períodos de cheia. Por 3.700 km o Rio é perfeitamente navegável por navios de alto-mar sendo que as menores profundidades, inferiores a 20 m, só ocorrem perto da fronteira peruana. Alguns afluentes importantes do Amazonas são: o Ucayalli e o Huallaga (ambos no Peru), o Javari, o Madeira, o Purus, o Juruá, o Xingu e o Tapajós, encontrados na na margem direita; o Pastaza e Napo (no Peru), o Negro, o Japurá, o Trombetas, o Içá, o Jari e o Paru, encontrados na margem esquerda.
Disponível em: http://www.infoescola.com/hidrografia/rio-amazonas/. Acesso em: set. 2015.
A Fortaleza de São José de Macapá é uma das principais edificações militares existentes no Brasil e um dos mais importantes monumentos do século XVIII. Erguida com o propósito de defender a Amazônia, em especial diante da perspectiva de uma invasão francesa, ocupa uma extensa área na margem esquerda da foz do Rio Amazonas. Fundada em 1758, poucos antes do início da construção do marco arquitetônico e histórico que hoje é um dos seus principais pontos turísticos. Depois de décadas de descompasso entre o que a Coroa Portuguesa pensava e o que efetivamente executava em sua política externa na Amazônia, a construção da fortaleza foi autorizada pelo então Rei Dom José I. Com supervisão do primeiro-ministro, o Marquês de Pombal, e administração direta da Capitania do Grão-Pará e do Maranhão, as obras começaram em 29 de junho de 1764. O projeto tinha assinatura de Henrique Antônio Gallucio. Com quase duas décadas de construção, a Fortaleza foi inaugurada em 19 de março de 1782, contando com cento e sete peças de artilharia de grosso calibre. Porém, não chegou a ver ou defender combate algum. Do período colonial ao Brasil Império, a Fortaleza foi ocupada por pelotões das guardas portuguesa e imperial, porém, com a proclamação da República em novembro de 1889, a Construção perdeu sua função principal. Em 1946, o Comando da Guarda Territorial no recém-criado Territorial Federal do Amapá se instalou no local. A Fortaleza de São José foi tombada pelo Instituto de Patrimônio Histórico Nacional (Iphan) em 22 de março de 1950. Nas décadas de 1950 e 1960, suas instalações viraram estalagem para famílias imigrantes que chegavam em Macapá e, em outro momento, uma cadeia pública para os presos sob vigilância da Guarda Territorial. De 2009 até o inicio de 2015 o local sediou a Superintendência do Iphan. Atualmente a Fortaleza de São José de Macapá é um dos monumentos que definem a capital do Amapá.
Disponível em: http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/index.php?option=com_content&view=article&id=1041%3Afortaleza-de-sao-jose-de-macapa&catid=41%3Aletra-f&Itemid=1. Acesso em: set. 2015.
Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/pagina/detalhes/316. Acesso em: set. 2015.
Inscrição na foto: Outra vista das ruínas gloriosas da velha Fortaleza de São José de Macapá, símbolo da soberania luso brasileira ao norte do Amazonas, fato este que concorreu para o resultado favorável do Brasil do Laudo de Berna, que integrou o antigo contestado do Amapá, no espaço geográfico do país.


Assuntos:
Amapá (Estado); Cidades e vilas; Fortificações; Habitações; Macapá (AP); Vistas aéreas; Vistas panorâmicas

Título Secundárias: Rio Apurimac; Rio Solimões; Rio Ucayalli


© 2021 IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística