Aqui você pode realizar buscas no catálogo on-line, bem como fazer download de parte do nosso acervo. Além disso, disponibilizamos informações sobre a biblioteca, tais como histórico, serviços oferecidos, links relacionados, etc.

ID: 40063
Código de Localidade: 3304557
Município: Rio de Janeiro
Tipo de material: fotografia
Título: [Avenida Atlântica] : Praia de Copacabana : Rio de Janeiro (RJ)
Local: [S. l.]
Editor: [s. n.]
Ano: 1968
Descrição física: 1 fot. : p&b
Série: Acervo dos municípios brasileiros
Notas: A Avenida Atlântica é uma importante via localizada no Bairro de Copacabana, zona Sul da cidade. É também um importante ponto de visita turística na cidade, graças à Praia de Copacabana. Foi idealizada pelo então prefeito Pereira Passos, que decidiu construir ao longo da praia uma rua de serviço. A denominação de Avenida Atlântica também partiu de Pereira Passos. Os planos foram aprovados pelo Decreto Municipal nº561, de 4 de novembro de 1905, sendo as obras iniciadas sob a direção do engenheiro José Américo de Souza Rangel, autor do projeto. A avenida tinha apenas quatro metros de largura, e as obras se prolongaram até 1908, sendo inaugrada pelo Prefeito Souza Aguiar. Em 1910, dado o aumento da quantidade de automóveis e a crescente popularização da prática do banho de mar, a avenida mostrou-se muito pequena, sendo alargada para 19 metros pelo Prefeito Bento Ribeiro. A obra só foi concluída em 1918. Nessa época, uma ressaca destruiu o calçamento, que foi refeito no período entre 1921 e 1922. Outra ressaca obrigou a se refazer a orla. Decidiu-se, então, reforçar a mureta com um respeitável alicerce de concreto, sendo concluída em 1924, ocasião em que se resolveu dotar a praia de postos de salvamento. Os guarda-vidas ficavam no alto de postes de concreto. Em 1934, parte do morro do Inhangá que ainda chegava à Av. Atlântica foi cortado para aconstrução da piscina do Copacabana Palace. Em 1951, o que havia restado dessa pedra junto ao Hotel foi retirado para a construção do grupo de edifícios Chopin, Balada e Prelúdio. De 1969 a 1971, grande obra foi realizada pelo Governador Negrão de Lima, por sugestão de Lúcio Costa e projeto do engenheiro Raimundo de Paula Soares. Sobre a areia foram construídas duas pistas de rolamento com um calçadão central sob o qual instalou-se o Interceptor Oceânico da Zona Sul, a maior obra de esgotamento sanitário até então feita na cidade. Todo o espaço até então usado pela antiga avenida e suas duas calçadas transformou-se em largo calçadão junto aos prédios; o atual estacionamento fica sobre o que era a areia da praia. Esta teve sua largura ampliada, com areia retirada do fundo do mar por dragas. Os mosaicos dos calçadões foram desenhados por Roberto Burle Marx, utilizando pedras de três cores, representando os povos que formaram a população brasileira. O calçadão junto à areia manteve o antigo desenho, oriundo de Portugal, uniformizando a orientação e ampliando o tamanho das ondas, fazendo-as condizentes com a largura da nova calçada. Em 1975, foram construídos novos postos de salvamento, projetados pelo arquiteto Sérgio Bernardes. Na administração do Prefeito Saturnino Braga (1986-1988) foram plantados grupos de coqueiros na areia e, na de Marcelo Alencar (1983-1986), construídos quiosques fixos e uma ciclovia.
Disponível em: http://rio-curioso.blogspot.com.br/2007/09/avenida-atlntica.html. Acesso em: jul. 2015.
A Praia de Copacabana é uma das mais famosas do mundo e ganhou o apelido de “princesinha do mar”. O Calçadão de Copacabana, foi construído em 1906, com pedras pretas (de basalto) e brancas (de calcita), trazidas de Portugal, o que lhes deu o apelido de “pedras portuguesas”. A denominação se mantém até hoje, por mais que as pedras agora sejam extraídas no Brasil. O padrão de ondas foi criado no século XIX nas calçadas da Praça do Rossio, em Lisboa, como homenagem ao encontro das águas doces do Rio Tejo com o Oceano Atlântico. Inicialmente, nos 4,15km do Calçadão, as ondas eram perpendiculares ao comprimento da calçada. Somente com a reforma da década de 70 é que ganharam o sentido atual, paralelo à calçada. No século XVII, comerciantes bolivianos e peruanos de prata trouxeram uma réplica da imagem de Nossa Senhora de Copacabana para a praia do Rio de Janeiro que na época se chamava Sacopenapã. Construíram uma capela em homenagem à santa e logo a capela passou a designar a praia e o bairro.
Disponível em: http://www.bbrasil.com/pt/offerte/historia-copacabana.html. Acesso em: ago. 2015


Assuntos:
Praias; Rio de Janeiro (Estado); Rio de Janeiro (RJ); Ruas

Título Secundárias: Avenida Atlântica


© 2021 IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística